Depois dos avisos, Hélder volta aos comentários homofóbicos e Pedro Alves junta-se a ele

Os dois concorrentes assumem que lhes faz confusão ver um casal homossexual a beijar-se e não o queriam em frente a um filho. Iury criticou-os e disse que eles eram mesmo homofóbicos.

“Big Brother 2020”. Depois dos avisos, Hélder volta aos comentários homofóbicos e Pedro Alves junta-se a ele — veja o vídeo

Ficou claro nas últimas horas que na casa do “Big Brother 2020” não são permitidos comportamentos homofóbicos, xenófobos ou racistas. Foi o próprio Big Brohter que teve este discurso com Hélder, o concorrente que fez um comentário homofóbico e que levantou uma onda de polémica. Devido a este comportamento, o concorrente de Santa Maria da Feira arrisca a expulsão já no próximo domingo.

Mas parece que a sentença não terá surtido efeito já que, depois do episódio especial do programa que contou com Cláudio Ramos, Hélder voltou a demonstrar uma atitude homofóbica. E desta vez, não foi o único. Também Pedro Alves, o concorrente que no vídeo de apresentação disse ser “um pouco homofóbico”, entrou numa conversa que poderá ter repercussões.

Já depois de ter sabido que estava nomeado, Hélder sentou-se em frente a Iury para jantar e o tema de conversa foi a homofobia. “Imagina que eles agora estavam ali aos beijos. Gostavas de ver isso? À tua frente e em frente a um filho teu”, perguntou a Iury, perguntou Hélder ao falar de casais homossexuais.

“Incomoda-te se um casal (heterossexual) se beija na rua?”, perguntou de volta a concorrente que nasceu em New Jersey. “Um casal normal não”, atirou o concorrente. “Ó Hélder, e incomoda-te quando um casal homossexual se beija na rua?”. “Não. Não é incomodar. Se eu estiver sozinho não me incomoda. Mas se eu estiver com um filho, não sei. Acho que iria ser estranho”, atirou o concorrente já depois de ter sido repreendido por um comentário homofóbico.

“Ai, meu Deus. Então desculpa. Eu peço desculpa do fundo do meu coração, mas tu és homofóbico”, disse por fim a concorrente. “Não. Olha, faz essa pergunta a todos os homens”, atirou Hélder. “Se eles responderam a mesma coisa são homofóbicos”, contrapôs a jovem

Hélder em risco de expulsão no “Big Brother 2020”

Hélder
Fotografia: Instagram Big Brother

E ao terceiro dia rebentou a primeira polémica no “Big Brother 2020”: uma atitude homofóbica de Hélder leva o participante a estar em risco de expulsão até domingo.

As imagens são de ontem, mas “rebentaram” esta manhã nas redes sociais: durante uma prova, Hélder, numa conversa sobre mulheres, referiu que “preferia ser mulherengo do que…”, referindo-se a Edmar, homossexual assumido.

Esta manhã, as redes sociais rotularam Hélder de homofóbico e a TVI foi obrigada a fazer uma emissão especial, para combater as “atitudes sexistas e homofóbicas” dentro do “Big Brother 2020”, garantindo que “a discriminação sexual terá consequências”.

Cláudio Ramos chamou Hélder ao confessionário, questionou-o sobre as palavras e o concorrente pediu desculpa ao país e caiu num choro compulsivo. Ainda assim, não se livrou do castigo do “Big Brother” e vai estar sujeito à expulsão dos portugueses até ao próximo domingo.

Edmar, o visado, desvalorizou a situação. “Não acredito que o Hélder quisesse dizer algo de maldade. Ele é um querido”.

‘Big Brother 2020’: Fábio é o primeiro concorrente expulso

'Big Brother 2020': Fábio é o primeiro concorrente expulso

Este domingo, dia 10, marcou a grande estreia do ‘Big Brother 2020’. Depois de duas semanas isolados individualmente em apartamentos, os concorrentes reuniram-se pela primeira vez na entrada na casa, dando assim início à aventura. Mas para uma pessoa, a noite significou o fim da experiência.

Fábio foi o primeiro concorrente expulso do programa, depois de ir a votações com Diogo Pedro Soá.

O algarvio soube da decisão do público à entrada da ‘casa mais vigiada do país’ e não conseguiu conter o desânimo ao abandonar o jogo nesta fase precoce. 

“Acho injusto. Nos outros programas tem-se a oportunidade de estar uma semana”, afirmou já em estúdio.

De costas voltadas! Jessica assume rutura com a mãe antes de entrar em Big Brother 2020

Jessica Nogueira confirmou um mal-estar com a mãe, criado antes de a empresária da Suíça entrar em Big Brother. E diz que a progenitora tem receio de que ela fale demais sobre o passado de ambas…

Houve quem estranhasse uma certa frieza no olhar de Jessica no momento em que esta foi surpreendida com uma mensagem da mãe, na gala deste domingo, dia 3 de maio, de BB Zoom. A concorrente confirmou, entretanto, o mal-estar, revelando que antes de entrar no reality show da TVI se chateou com a progenitora.

No BB Mag desta segunda-feira, foi dada a conhecer a reação da empresária ao vídeo. Nascida em Braga mas a residir na Suíça desde os nove anos, Jessica começou por afirmar que gostou «muito de ver a mãe», mas logo depois deixou escapar que entrou em rutura com ela momentos antes de se dar a conhecer aos portugueses. «Não estava à espera de a ver. Nunca pensei que ela se mostrasse, porque eu e ela não estamos ‘na boa’. Tivemos algumas chatices antes de eu entrar», confirmou a participante de Big Brother 2020.

Mas Jessica não e ficou por aqui. «Quero que te divirtas muito com esta experiência e que não sofras nem penses muito no passado, porque o passado está lá atrás e não se pode mudar. Mas podes mudar o teu presente e o teu futuro», incentivou Susana no Dia da Mãe. A empresária respondeu, considerando que a progenitora tem receio de que ela fale demais sobre o passado de ambas. «Não gostei do facto de ela dizer ‘deixa o passado para trás, vive o presente’, porque tem medo que eu se calhar fale coisas dela. mas o passado dela também é o meu passado», atirou a jovem de 22 anos.

«Desligamento da mãe chegou a doer de ver»

A estranha reação de Jessica ao vídeo da mãe já tinha sido notada por Liliana Oliveira na crónica que a ex-concorrente de Casados à Primeira Vista (SIC) assina semanalmente no site da TV 7 Dias.

Na edição desta semana de BB à Primeira Vista, a cronista não só comentou este facto como fez uma analogia entre ele e a história em que Jessica revelou ter sido abandonada pelo pai. «Uma coisa que me saltou à vista na gala deste domingo e que me fez vê-la com outros olhos. Ela fala muito do pai – chorou inclusivamente por causa dele, porque ele a abandonou e eu acredito nisso. Ora, como é que uma mulher sente tanta falta de um pai que a abandonou e recebe uma mensagem da mãe dizendo-lhe que tem saudades dela e ela ignora a mãe completamente? Foi o que aconteceu. Nomeadamente, a mãe dela estava a falar e ela olhou para o teto! Como quem diz: ‘Nunca mais te calas…’», escreveu Liliana Oliveira.

E acrescentou: «Isto faz com que eu tenha dúvidas em relação ao carácter e aos sentimentos da Jessica. Ela mostrou uma frieza e um desligamento da mãe que chegou a doer de ver.»

Mortes, acidente e orgasmos! Concorrentes de Big Brother 2020 confessam-se uns aos outros

Num desafio lançado pelo Big Brother, os concorrentes falaram sobre os momentos mais felizes das suas vidas. Contudo, alguns deles envolvem tragédias…

Momentos de tristeza e lágrimas marcaram a emissão desta quinta-feira, 7 de maio, de BB Mag. Mas também momentos de muitos sorrisos e gargalhadas. Os concorrentes de Big Brother 2020 foram questionados sobre o momento mais feliz das suas vidas e não deixaram nada por dizer.

Iury, por exemplo, recordou a morte de um avô e confessou que vê-lo antes de partir foi um dos seus melhores momentos. «Ele estava mal e eu consegui vê-lo antes de partir», contou perante os colegas, sem esconder as lágrimas. Também Noélia garantiu que a perda de peso da mãe – que era obesa – foi o melhor que podia ter visto ao longo da sua vida, depois de a convencer a fazer uma intervenção cirúrgica.

Por sua vez, Pedro Soá falou da morte do pai, que fez dele aquilo que é hoje, e Sandrina abordou um acidente de viação de amigas: «Morreram três pessoas mas, quando soube que uma amiga estava viva, esse foi o melhor momento da minha vida.» 

Pedro Alves confessou que o seu maior sonho é ser pai e que o irmão lhe deu o maior presente: uma sobrinha. Já Daniel Guerreiro recordou o momento em que ia ser pai, mas tal não aconteceu. «Dá para perceber o porquê»Soraia, por seu turno, falou da doença do irmão, que sofre de autismo.

Recordações tristes que de imediato acabaram com as declarações de Rui e Sónia, que alegraram toda a gente. Rui contou que o melhor momento da sua vida foi quando conheceu a sua primeira namorada e lhe deu um beijo na boca à chuva. Já Sónia deixou os colegas a rir às gargalhadas. A concorrente garante que tem dois melhores momentos da sua vida: os partos das filhas.

«Engravidei numa passagem de ano. Aquilo foi toda a noite. Foi um do momentos mais felizes da minha vida. Parecia que eu nunca tinha tido um orgasmo. eu descobri o que era o amor. Levou-me à lua. Eu engravidei naquela noite. A minha mãe nem sequer sabia que eu namorava. Só tive aquela noite com ele. Foi toda a noite», contou.

De recordar que Diogo, Fábio e Pedro Soá são os nomeados desta semana. Um deles vai abandonar o jogo de Big Brother 2020 já no próximo domingo, dia 10 de maio. O vencedor vai receber um prémio final de 50 mil euros.

A casa vem abaixo: Joana Longoria revela quem vai sair do BB Zoom no domingo!

Depois de uma primeira gala de nomeações, repleta de emoção, os comentadores TV 7 Dias Joana Longoria e Rui Marques fazem o rescaldo do BB Zoom. A ex-concorrente da Casa dos Segredos 3 revela que Diogo Cunha é o seu favorito… para a expulsão.

Já Rui Marques considera que vai ser Pedro Soá a abandonar o reality show da TVI. Numa vídeo bem-humorado, que pode ver clicando na galeria, Joana Longoria e Rui Marques elogiam o desempenho de Sónia, a vendedora ambulante de Gaia, questionam as intenções de Jéssica e criticam Pedro Alves.

Um mês depois, TVI avança com Big Brother em duas fases — quarentena e depois o velho confinamento na casa

Um mês depois de adiar a estreia da sua grande aposta Big Brother 2020 devido à pandemia da covid-19, a TVI anuncia o regresso do reality show já no dia 26 de Abril — num contexto único e tornando a fase de quarentena e testes em programação televisiva. As mesmas preocupações sanitárias que precipitaram o adiamento do programa que confina mais de uma dezena de pessoas numa casa tornaram-se agora parte integrante do formato, que acompanhará numa primeira fase uma quarentena de 14 dias e dois testes dos concorrentes ao novo coronavírus. “Tivemos que nos ajustar”, diz Nuno Santos, director de programas do canal.

No horário nobre de domingo, dia 26, a TVI estreará então o Big Brother 2020 numa versão quarentena: não só porque se chamará à primeira fase do programa BB Zoom, como a plataforma tão usada neste mês de mudança e isolamento social para reuniões, encontros e entrevistas, mas também porque os concorrentes “estarão a cumprir a quarentena” de acordo “com as instruções das autoridades sanitárias”, explica Nuno Santos esta segunda-feira numa conversa com os jornalistas (precisamente via Zoom).

Os concorrentes, que previamente já estiveram em isolamento social, aparecerão à conversa entre si mas também com o apresentador Cláudio Ramos, subtraído à SIC na guerra das audiências para apresentar o Big Brother, “cada um no seu apartamento [numa espécie de aparthotel] na Grande Lisboa”. É um Big Brother com “dois andamentos” e nesta primeira fase o isolamento individual dos concorrentes “gera conteúdo”, diz Nuno Santos.

Ao fim desses 14 dias, os concorrentes terão feito dois testes à covid-19 para garantir que podem passar à casa do Big Brother na Ericeira e entrar então no formato mais parecido com o programa que em 2000 deu a vitória na guerra das audiências em Portugal à TVI e mudou o rosto da televisão nacional. “Precisamos de ter a certeza absoluta de que no momento em que entram na casa todos estão de perfeita condição de saúde”, diz Nuno Santos, dizendo que o processo será acompanhado por “uma empresa certificada” para assegurar o cumprimento das directrizes da Direcção-Geral de Saúde antes de entrarem no confinamento que caracteriza o programa.

Questionado pelo PÚBLICO sobre se a dimensão de risco que motivou o adiamento do programa há um mês está mesmo eliminada, Nuno Santos responde: “Sentimos que tomámos a decisão certa naquele momento, a decisão que se impunha em função das circunstâncias e até do desconhecido que tínhamos pela frente, que fizemos tudo o que tínhamos de fazer neste período e que temos o processo controlado”. Podiam ter optado por não fazer da quarentena também programa? “Podíamos, mas avaliámos e tomámos esta decisão.”

Inspeções automóveis adiadas: veja qual é o seu caso

Devido à pandemia de covid-19, as inspeções automóveis foram adiadas por cinco meses, mas há exceções. Veja quais são.

Imagem 1 de 1 da galeria

Quanto tempo foram adiadas as inspeções?

Inicialmente, o Governo referiu dois meses, mas depois, devido à pandemia por covid-19, alargou o prazo para cinco meses.

Quais os veículos abrangidos?

Segundo o decreto-lei publicado a 23 de março, estão abrangidos “os veículos a motor e seus reboques, ligeiros ou pesados, que devessem ser apresentados à inspeção periódica no período que decorre desde 13 de março de 2020 até ao dia 30 de junho de 2020”.

Há exceções para alguns veículos?

Sim. 

  • Automóveis pesados de passageiros (M2 e M3) 
  • Automóveis pesados de mercadorias (N2 e N3)
  • Reboques e semirreboques com peso bruto igual ou superior 3500 kg (O3 e O4), com exceção dos reboques agrícolas
  • Automóveis ligeiros licenciados para o transporte público de passageiros e ambulâncias
  • Automóveis ligeiros de passageiros (M1), utilizados para transporte internacional, para deslocação autorizada
  • Automóveis utilizados no transporte escolar.

E se o meu carro já tiver chumbado numa inspeção anterior?

É outra das exceções. Se o veículo tiver chumbado na inspeção, terá de marcar nova inspeção.

Os centros de inspeção continuam abertos?

Os centros de inspeção vão encerrar, parcialmente, a atividade até 30 de junho. Ou seja, alguns permanecem abertos para garantir os serviços essenciais. Se for o caso do seu veículo, terá de fazer a inspeção por marcação, antes de se dirigir ao local.

Como fazer a manutenção de um carro parado

Agora que terá o carro parado por mais tempo, há algumas recomendações para mantê-lo a funcionar bem quando voltar a pegar nele, seja a gasolina, gasóleo ou elétrico.

bateria de carro a ser carregada

Pneus, escovas, travões, combustível ou bateria sofrem desgaste em qualquer carro, mesmo se estiver parado. Com o estado de emergência devido à covid-19, que leva a que as pessoas estejam mais em casa, também os carros ficam parados e por um período de tempo que pode ser longo.

Convém que a manutenção dos veículos seja feita. Há recomendações gerais e específicas para carros elétricos e para carros com motores a combustão (gasolina ou gasóleo). Limpar o interior da viatura, manter uma boa pressão dos pneus e o depósito com pouco combustível, ter as baterias do carro elétrico na carga média, dar uma volta com o carro para funcionar e mudar de lugar de estacionamento são algumas das recomendações.

Mesmo com o carro sem andar, não se esqueça de pagar o seguro e fique descansado que a inspeção obrigatória teve uma prorrogação do prazo. Caso tivesse de inspecionar o carro entre 13 de março e 30 de junho de 2020, terá cinco meses, a contar da data da matrícula, para fazer a inspeção.

Mantenha a pressão dos pneus

Por motivos de consumo e segurança, os pneus devem andar sempre com a pressão indicada pelo fabricante.

Se o veículo ficar parado por longos períodos, é essencial que a pressão se mantenha estável e seja verificada com regularidade, dependendo do estado de conservação dos pneus. Os pneus novos não perdem ar com tanta facilidade, mas os pneus com muito uso podem apresentar perdas que obrigam à reposição da pressão semanal ou quinzenalmente.

Além da borracha, os pneus são construídos com uma malha metálica interior que pode ficar deformada se ficarem parados durante muito tempo e com a pressão baixa. 

Caso o carro fique imobilizado por mais de um mês, quando for encher o ar dos pneus utilize a pressão máxima indicada no manual.

Limpe o carro por dentro e por fora

limpeza geral do carro é muito importante. Por dentro e por fora. A sujidade no exterior pode danificar a pintura e, por dentro, pode atrair pragas ou criar sujidades muito difíceis de remover.

Para períodos muito longos, de vários meses, com o carro parado, o ideal seria estacioná-lo numa garagem ou usar uma boa capa.

Em circunstâncias normais, quando a paragem é programada, é possível ponderar uma lavagem e encerar a carroçaria. Esta limpeza dá uma camada extra de proteção da pintura contra as intempéries e os animais e seus dejetos.

Se já não vai a tempo, pelo menos, faça uma limpeza superficial dentro do veículo, apanhe todos os papéis, garrafas e restos de comida. Aspire ou sacuda as migalhas dos assentos e dos tapetes e esvazie o cinzeiro. Os restos de comida podem atrair insetos ou outros animais. As garrafas podem deixar sair líquidos que mancham e serão difíceis de remover depois de secarem.

Proteja o tabliê com um tapa sol. 

Deixe o depósito na reserva

Os combustíveis muito tempo armazenados no depósito de um veículo parado acabam por perder propriedades e criar resíduos que podem vir a entupir o filtro de combustível ou, até mesmo, os injetores. Se a paragem for por um período muito longo, o melhor é deixar o carro com o depósito na reserva.

Alivie os travões

Há sempre oxidação sobre os sistemas de travagem, que afeta, em grande parte, os veículos parados por longos períodos. No geral, os primeiros metros e as primeiras travagens conseguem recuperar os sistemas.

O travão de mão também sofre com as paragens longas, aumentando o efeito da oxidação nas zonas de contacto permanente e na tensão do cabo do travão. O ideal seria deixar o carro destravado para evitar danos maiores. Poupa os travões e o sistema de travão de mão.

Se optar por destravar o carro, garanta que o veículo fica estacionado numa zona plana e, mesmo assim, não se esqueça de colocar calços em todos os pneus. 

Cuide da bateria

Dantes, desligava-se a bateria quando o veículo ficava imobilizado por períodos longos. Esta prática não é recomendada atualmente porque os carros têm vários circuitos em constante consumo. Mesmo que muito baixos, estão sempre a drenar a bateria. A técnica de desligar a bateria cria o problema da desprogramação ou do impedimento de funcionamento de algumas das funções do veículo: alarme, localizadores, código do rádio, abertura de portas, entre outras.

Caso opte por desligar a bateria, garanta que tem os códigos de ativação das funções, as portas todas fechadas (à exceção da do condutor) e que o risco de roubo é baixo.

O recomendado para manter a bateria a funcionar e combater a maior parte dos males, sobretudo para veículos que ficam estacionados na rua, seria dar uma pequena volta de manutenção uma vez por semana ou de 15 em 15 dias. De preferência, percorrer cerca de 5 km. Mesmo que seja uma volta ao quarteirão, já seria razoável.

Durante a volta de manutenção, ligue o ar condicionado para trabalhar um pouco.

Filtros dos carros a diesel

Para cumprirem a norma europeia Euro 5, em vigor desde 2009, os motores a gasóleo (diesel) têm filtros de partículas que têm de ser limpos ao fim de 400 ou 500 quilómetros. Nos casos em que a limpeza ou regeneração dos filtros é automática, sem intervenção do condutor, a mesma ocorre quando o carro circula a uma velocidade mínima de 80 km/h e, pelo menos, durante 45 minutos. É a chamada regeneração passiva.

Quando este tipo de regeneração não é possível, recorre-se à regeneração ativa, ou seja, aquela em que o carro aumenta sozinho o rolanti do motor para aumentar a temperatura no filtro de partículas e, dessa forma, forçar a regeneração do filtro de partículas. Para este tipo de regeneração o carro também tem de estar em movimento a uma velocidade de 65 km/hora um certo período. Normalmente, aparece um aviso de regeneração no tabliê e deve circular até esse aviso se apagar, que pode ser durante 15 minutos.

Com o estado de emergência ativo, as deslocações estão limitadas e os percursos mais curtos e os filtros dos carros a diesel podem necessitar de regenerar mais frequentemente. Quando possível, aproveite as deslocações que terá mesmo de fazer (supermercado, farmácia ou apoiar alguém) para circular em vias rápidas.

Evite que as escovas limpa-vidros se colem

Pode levantar os limpa para-brisas para evitar que a borracha das escovas se cole ao vidro e se deforme. Se não for conveniente deixar as escovas levantadas, coloque um pano que cubra toda a escova e, assim, encoste-a ao para-brisas.

Veículos elétricos

No caso dos carros elétricos – e para uma utilização ótima em qualquer circunstância – não deve deixar que a bateria descarregue totalmente. De preferência, recarregue a bateria quando a percentagem de carga for baixa (cerca de 20%, segundo alguns especialistas). Por outro lado, evite carregar o carro a 100 por cento e nunca o deixe ligado ao carregador durante muitos dias. A única exceção é se o veículo tiver a função de limitar a percentagem de carregamento programável.

Com a atual limitação de usar o veículo, caso fique muito tempo parado, estacione-o com um nível de carga pela metade. Se já está estacionado e com um nível de carga elevado, tente gastar a bateria dando umas voltas e ligando, por exemplo, o ar condicionado no máximo. Após alguns dias, verifique o nível de carga para manter o nível médio da bateria e nunca abaixo dos 20 por cento.

Sabe desinfetar o telemóvel?

O telemóvel deve ser limpo, com regularidade, para evitar a propagação do coronavírus. Veja como deve ser desinfetado e quais os cuidados a ter para não estragar o aparelho.

Imagem 1 de 1 da galeria

Já se sabe que o coronavírus pode sobreviver entre horas a dias nas superfícies, dependendo do tipo de material. Por isso, é imprescindível limpar e desinfetar, com regularidade, os objetos em que tocamos. Provavelmente, o telemóvel é um dos que mais usamos. Já calculou quantas vezes ao dia pega no seu telemóvel, para onde o leva ou onde o pousa? Veja como deve limpá-lo e quais os cuidados a ter, segundo os conselhos do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e da Associação de Defesa do Consumidor (Deco).

1. Limpe com um pano ou toalhita

Desligue o telemóvel antes de começar, por razões de segurança. Pode utilizar um pano microfibra, os panos usados habitualmente para limpar os óculos ou uma toalhita de bebé. Evite os lenços de papel porque, segundo a Deco, podem espalhar a sujidade, em vez de absorver.

2. Cuidado com os líquidos

Mesmo que o seu telemóvel já esteja preparado para estar debaixo de água, não deve imergi-lo em detergente, líquido anti-bacteriano ou qualquer mistura com álcool. Também não deve usar detergentes de limpeza em spray porque podem entrar nos orifícios das ligações ou danificar a camada protetora do ecrã. O ideal é utilizar um toalhete próprio para limpar estes equipamentos, com 70% de álcool ou, se não tiver, pode humedecer um pano microfibra ou uma toalhita de bebé em detergente com lixívia ou álcool a 70%. No final, limpe tudo com a parte seca do pano e lave o pano.

3. Capas e proteções

Segundo a Deco, no dia-a-dia, deve manter a capa do telemóvel e um vidro temperado a proteger o ecrã. Desta forma, pode fazer a desinfeção, regularmente, sem correr o risco de estragar o aparelho. No entanto, tanto a Deco como o SNS sugerem que também deve retirar a capa, com frequência, e limpar o telemóvel, assim como a capa, por razões de segurança.